Seguidores

23 de abr de 2012

Pai, quero ser apenas uma raíz.



Pai faz de mim uma raiz sedenta

Que silenciosamente a cada dia rasga a terra obscura

Quero ser apenas uma raiz, sem formosura, sem graça

Que vive submersa, todavia que faz romper

À superfície o mais belo e verde vegetal

Pai desejo ser apenas uma raiz

Desalinhada, esquecida e oculta nas profundezas do solo

Mas que a cada dia, ousadamente fere o árido solo

E se afunda terra abaixo, para permitir que o tronco

Avance para cima, para as alturas da Divindade

Pai desejo ser apenas uma raiz

Sem formosura, ignota, porém insubstituível

E beber-lhe o alimento essencial

Não para reter ou armazená-lo egoisticamente

Mas para dividi-lo sem reservas

Pai desejo e quero ser apenas uma raiz voluntariosa, 

generosa, mansa e humilde

Que morre no solo para dar a vida em prol da vida.

Elena Nazarro

Nenhum comentário:

Postar um comentário